Como se pode acabar com a prostituicao infantil no Brasil. Relate aqui casos de prostituicao infaltil, coloque os detalhes e o endereco de onde ocorre. Na maioria das vezes a prostituicao infantil comeca dentro de casa, com um amigo da familia oferecendo balas para as criancas mostrarem suas partes intimas, e outras vezes acontece nos bairros pobres quando os traficantes dao tenis importados e celulares para as meninas entre 12 e 13 anos para que as mesmas futuramente va para a cama com eles.

30/04/2009 11:32
De: huelson
IP: 189.10.90.219

Re: PROSTITUIÇÃO INFANTIL NO ESTADO DO PARÁ


Criança, segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) é a pessoa com até doze anos de idade e adolescente é a pessoa entre doze e dezoito anos de idade (art. 1¼, do ECA).
Alessandra Mendonça
6 período de jornalismo
Um fato que é incontestável é que a rede de prostituição infantil no Brasil continua sem solução, talvez isso ocorra porque este tipo de negócio transformou-se no terceiro mais rentável comércio mundial, atrás apenas da indústria de armas e do narcotráfico. Este é um daqueles temas que houve-se muito mas sabe-se pouco. Não é por menos que é problema que vem preocupando, não só o governo brasileiro, mas também do mundo inteiro.
Como toda atividade clandestina, a prostituição infantil sempre foi abafada. Na visão da grande maioria das pessoas, não só dos leigos como também dos instruídos, acreditam que os principais clientes que procuram pelos serviços das menores eram os turistas estrangeiros, que vem para o país e se encantam com as mulheres seminuas que encontram nas praias e, por quê não, nas ruas. No entanto, o trabalho da polícia mostra que a maioria dos clientes são brasileiros de classe média alta e rica, empresários bem sucedidos, aparentemente bem casados e, algumas vezes, com filhos adultos ou crianças. Além dos empresários estão, também, na lista, os motoristas de caminhão e de táxis, gerentes de hotéis e até mesmo os policiais.
Já do outro lado, prova-se que as meninas são pobres e que moram em uma total miséria na periferia. A primeira relação sexual pode ter ocorrido com o próprio pai, padrasto ou até mesmo seu responsável aos 10, 12 ou 17 anos. Por este motivo as pesquisas demonstram que a garota até poderia tolerar por mais tempo a pobreza e a miséria, mas o que ela encontra em casa é a violência, o abandono e a degradação familiar. Para elas, talvez, seja mais fácil encontrar as dificuldades da prostituição nas ruas do que enfrentar os distúrbios de homens, que ao invés de dar-lhes proteção, abusam delas sexualmente.
Algumas vezes a mãe não sabe o que acontece ao seu redor, acredita que sua filha possa estar trabalhando em algum lugar "decente" e não tem a mínima idéia de que ela possa estar fazendo programas. Já em outros casos, os próprios pais as levam para se prostituirem. É um trabalho rentável e que gera lucro à toda família, sendo a garota a única prejudicada. Assim, as meninas prostituídas passam a apresentar numerosos transtornos orgânicos e psíquicos, como por exemplo baixa auto-estima, fadiga, confusão de identidade, ansiedade generalizada, medo de morrer, furtos, uso de drogas, doenças venéreas, irritação na garganta e atraso no desenvolvimento.
Além da degradação moral de toda espécie humana, a onda de pedofilia está contribuindo para criar uma geração precoce de portadores do vírus da AIDS, já que as crianças, mais frágeis fisicamente, estão propensas a sofrer ferimentos durante o ato, o que facilita a infecção. Adicionando à posição de inferioridade, que não os dá direito de exigir do parceiro o uso de preservativos.
Existem leis que obrigam os motéis e estabelecimentos similares a entrada de menores de 18 anos. No entanto, como todas as leis, esta também não é cumprida. Os casais entram nestes lugares sem o mínimo de intervenção, por esse motivo os homens podem entrar não só com uma menor mas duas ou três, depende de seu gosto e sua disposição.
Leia também:
Pedofilia: que doença é essa?
31/05/2007 13:52
De: Lucymeire Viana da Silveira (lucymeireviana@yahoo.com.br)
IP: 192.168.3.55, 200.195.38.10

Prostituição Infantil

Sou pedagoga e policial ... trabalho com palestras e estou precisndo de material novo sobre Prostituição Infantil.
Obrigada...
21/11/2005 17:14
De: Islan
IP: 200.217.163.55-10.0.2.61

Poderia

Poderia alguém me enviar um resumo da prostituição no brasil mais breve possivel,,,, espero que vc passa me enviar um resumo e obrigado.....
09/06/2010 07:46
De: trabalho infantil
IP: 187.71.1.61

Re: Re: Teatro sobre e trabalho infantil

Doze de junho é lembrado como o Dia Internacional contra o Trabalho Infantil em todo mundo. No Brasil, a semana de mobilização é coordenada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). A data foi instituída em 2002 em virtude da publicação do relatório da Conferência sobre o Trabalho Infantil em Genebra.
Uma série de importantes eventos acontecerão entre os dias 6 a 12 de junho. O objetivo é chamar a atenção de toda a sociedade durante a campanha. Entre os eventos programados, destaca-se a assinatura de Termos de Cooperação Técnica entre os ministérios envolvidos com a questão (Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Minas e Energia, Saúde, Cultura e Trabalho). São ministérios que adotam políticas sociais específicas, de fortalecimento das ações sócio-educativas e de convivência comunitária, que são fundamentais para eliminar o problema do trabalho infantil na raiz.
Um das ações programadas é a de ampliar o funcionamento do Peti (Programa de Erradicação do Trabalho Infantil) que, em parceria com a Confederação Nacional do Transporte (CNT), vai capacitar caminhoneiros para identificação de situações de trabalho infantil em todas as regiões do país.
Durante esta semana, haverá eventos ainda no Congresso Nacional, intensificação das ações das Delegacias Regionais do Trabalho, além de atos em vários estados brasileiros. O tema também será abordado por meio de diversos debates na imprensa, especialmente em rádios e TVs.
Para a campanha internacional deste ano, a OIT escolheu como tema o trabalho infantil em mineração, considerada uma das piores formas de exploração de crianças. No Brasil, porém, a mobilização terá como centro a luta contra todas as formas de mão-de-obra infantil. O objetivo é sensibilizar a sociedade civil sobre a importância da infância, como tempo para brincar e aprender. Isso porque o trabalho precoce prejudica a saúde física e emocional e impede, no futuro, uma digna inserção dessas pessoas no mercado profissional. Não à toa que a meta do MDS é erradicar de vez o trabalho infantil até o final de 2006.
Referência Internacional
O Brasil é considerado referência mundial no combate à exploração de crianças. É o único país a adotar política específica contra esta mão-de-obra. Além de pagar uma bolsa mensal às famílias dos meninos e meninas, o Peti (programa gerenciado pelo MDS) oferece atividades culturais e esportivas no turno contrário ao da escola. Atualmente o programa beneficia 930.824 crianças e adolescentes entre 7 e 15 anos.
Até o fim do ano, o Peti atingirá 1 milhão de meninos e meninas. Para aprimorar o atendimento e agilizar o repasse, as crianças serão migradas para o Cadastro Único até dezembro. Dessa forma, o pagamento ocorrerá pela folha do Bolsa Família e a verba do programa será destinada à ampliação das atividades da jornada ampliada, no turno contrário ao da escola.
Símbolo brasileiro é adotado mundialmente
O símbolo do Dia Mundial contra o Trabalho Infantil é um brinquedo multicolorido e cheio de energia, o catavento. Criado no Brasil, como contribuição de uma agência de publicidade à campanha, ele foi adotado pela OIT em todo mundo. O catavento colorido simboliza o respeito à criança e às diversidades de raça e de gênero. Suas cinco pontas representam todos os continentes. Ao girar, elas inspiram a mobilização, a geração de energia capaz de mudar a situação de milhões de crianças exploradas em todo o mundo.
Seu IP: 3.239.4.127 (os IP's são armazenados por questões de segurança)
Seu nome:
Seu e-mail:
Assunto:
Mensagem:
  Não quero que meu e-mail apareça na mensagem (apenas o nome)