Este fórum
serve para registrar informalmente trechos de mensagens recebidas via e-mail (vieira.sor@terra.com.br)
pelo
historiador,
genealogista e sociolingüísta Dr. Sílvio Vieira de Andrade Filho, autor
destes livros:


 


I - Um Estudo Sociolingüístico das Comunidades Negras do Cafundó, do Antigo Caxambu e de seus
Arredores
, ISBN 85-89017-01-X, 2000, Secretaria da Educação e Cultura de
Sorocaba


II - Um Estudo Sociolingüístico das Comunidades Negras do Cafundó, do Antigo Caxambu e de seus
Arredores
, ISBN: 85-904104-2-0, 2009


 


III - Guareí,
ISBN 85-904104-1-2, 2004,
Prefeitura Municipal e Câmara Municipal de Guareí


 


IV - Itapetininga,
ISBN 85-904104-3-9, 2006


 


V - Notas e Documentos Complementares,
ISBN 978-85-904104-4-7, 2015



 


Observação: O autor escreveu também a monografia "Uma contribuição para o estudo das famílias Mascarenhas, Araújo, Toledo, Martins, Graça, Camelo, Cruz e Queiroz",
2013


 


O autor agradece as mensagens que são respondidas via
e-mail.


 


O
autor tem dois sites diferentes com estes endereços:


 


http://www.cafundo.site.br.com


 


http://inforum.insite.com.br/8400/



08/08/2003 21:01
De: Luís Fernando Amaral
IP: 200.177.50.186

Olá

Gostei muito do site e espero encontrar o livro em breve aqui em Salvador onde estudo e faço parte de uma Ong que trata de cultura afro-brasileira. Até em breve com novos contatos professor Sílvio.
12/05/2006 18:47
De: S. R. M.
IP: 201.43.91.199-

Artigos sobre o Cafundó

Bom Dia, Sr. Sílvio.

Sou estudante do 4º ano, do Curso de Licenciatura em Letras da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Paraná).
Este ano temos na disciplina de Língua Portuguesa IV, as origens das línguas. Nossa professora propôs que fizessemos um seminário sobre vários temas e meu grupo ficou com o tema: " As formas de expressão da língua africana no Cafundó". Ao pesquisar na internet encontrei seus artigos referentes ao Cafundó.
Gostaria de enfatizar que seus artigos contribuirão muito para o entendimento e desenvolvimento do seminário que será apresentado por nós no dia 17/05/06 e tenho plena certeza que todos apreciarão o tema, assim como eu e minhas colegas ficamos encantadas com essa cultura que se esconde dentro desse nosso enorme Brasil de diversas raças, crenças, religiões, etc.
Fico feliz em saber que pessoas como o Sr. contribuem para que possamos obter maiores e melhores conhecimentos sobre estes temas que nem sempre tem o destaque merecido e também por minha excelente professora que abordou estes assuntos que nos fazem refletir sobre a nossa cultura.
Parabenizo-o pelo excelente trabalho.
Um abraço,
S. R. M.
08/02/2009 21:07
De: Paulo Moura Gomes
IP: 200.204.236.113

Re: Família Momberg

Procurando saber mais sobre a origem de minha família, encontrei por acaso este site. Gostaria de saber mais sobre a origem dos momberg. Se existe correlação com minha família, sendo que meu pai e seus familiares são de lá. Seus familiares são Cheque de Moraes Gomes e Campos. E o livro, como posso obter um exemplar de Guareí.  O nome de meu pai é Ely Cheque de Moraes Gomes.
Obrigado
09/04/2004 00:42
De: Profª Telma M. da S.
IP: 200.177.13.125-

Informações

Prezado Professor Sílvio
Sou professora universitária no curso de Turismo na Unimar (Universidade de Marília) interior de SP e também professora de história na rede oficial estadual de ensino. Ocorre que como professora de história tomei contato da existência da comunidade Cafundó, por meio do livro didático que utilizo na minha escola.
Como professora do curso de Turismo, estou desenvolvendo um artigo (uma comunicação) para um congresso sobre turismo rural em conjunto com a professora de legislação turística, e pensamos na possibilidade de escrevermos o artigo  sobre a questão da efetivação das terras para as comunidades remanscentes de quilombolas e a posibilidade de ocorrer uma oferta de turismo rural.
Para tanto, pesquisando na internet, verifiquei vários artigos de sua autoria, inclusive os dados sobre o seu livro.
Necessito saber a dimensão da área da comunidade, quantas familias, atividades econômicas, acesso, questão cultural, etc.
Também estou solicitando dados junto ao Itesp em relação a parte da legalização da área.
Agradeço a ajuda que puder me oferecer.
Profª Telma M. da S.
12/03/2004 01:17
De: Sílvio Vieira de Andrade Filho (vieira.sor@terra.com.br)
IP: 200.177.61.56-

Re: Adquirir um livro

Prezada Juliana
Fiquei contente com a sua mensagem que foi respondida via email.
Obrigado pelo interesse e me dê sempre a honra de consultar os meus dois sites em constante atualização que possuem quatro endereços eletrônicos.
Sílvio Vieira de Andrade Filho
18/08/2006 19:40
De: M.M.
IP: 201.42.199.49

Livro Guareí

Maceió, terça-feira, 11 de abril de 2006
Caro Sílvio Vieira de Andrade Filho
Para começar eu tenho desessete anos e estou terminando o ensino médio, herdei esse sobrenome da família da minha mãe, R.F. Momberg. O
pai dela, meu avô chama-se J.B. Momberg. Eu não não me lembro nome dos pais dele, mas se o senhor quiser, posso perguntar da próxima vez que visitá-lo. Após trabalhar nos três estados do sul do país, meu avô foi transferido para cá em 1967, trazendo cinco filhas incluindo minha mãe, um filho adotivo e sua esposa, minha vó, E. M. Momberg, eles se conheceram e se casaram em Guareí e ainda hoje têm parentes nessa cidade.
Aqui em Maceió, nossa família é pequena, pois somos apenas os que vieram a partir dos meus avós.
Ah, gostaria de saber qual foi o registro mais antigo que o senhor achou da família, e se encontrou algo no consulado da Alemanha ou uma lista de passageiros de um navio, pois gostaria de juntar essas informações às que meu avô conta sobre a vinda dos Momberg ao Brasil.
Obrigada por responder.
Cordialmente,
M.M.
01/12/2010 18:54
De: Marcel Defensor
IP: 201.13.216.152

Guareí - Quadra

Em 15.08.2010, Marcel Defensor, morador da Quadra, SP, pesquisador e apreciador do livro "Guareí", envia para o autor Sílvio Vieira de Andrade Filho informações históricas sobre Manuel Joaquim de Andrade e sobre divisas de Guareí. Sílvio fica-lhe muito grato.
11/12/2003 02:54
De: Sílvio Vieira de Andrade Filho (vieira.sor@terra.com.br)
IP: 200.177.91.170-

Resenha do livro sobre o Cafundó

Resultado de minha tese de Doutorado na Universidade de São Paulo, o livro "Um Estudo Sociolingüístico das Comunidades Negras do Cafundó, do Antigo Caxambu e de seus Arredores" (ISBN: 85-89017-01-X) lançado em 07.12.2000 pela Secretaria da Educação e Cultura de Sorocaba possui conteúdo regional, mas apresenta interesse nacional e internacional. O livro-documentário de 336 páginas de 46 linhas cada está dividido em oito partes. Toda a história do livro está baseada em documentos encontrados em vários cartórios da região de Sorocaba com autorização judicial. Esta pesquisa não pode ser considerada definitiva, uma vez que a ciência sempre avança. A primeira parte deste livro focaliza o Brasil africano: as culturas africanas no Brasil, a população afro-brasileira, as comunidades negras do país, línguas em contacto e o contacto de línguas africanas com a língua portuguesa. A segunda parte faz um estudo sociológico e histórico de uma parte da região administrativa de Sorocaba situada no Estado de São Paulo, Brasil. Trata do surgimento de vilas da região que mais tarde se tornaram municípios (Sorocaba, Itapetininga, Pilar do Sul, Sarapuí, Salto de Pirapora e Araçoiaba da Serra) e das comunidades negras do Cafundó (Salto de Pirapora) e do antigo Caxambu (Sarapuí). Além do Cafundó e do antigo Caxambu, a obra focaliza também a Fazendinha dos Pretos (Salto de Pirapora), os Camargo e a antiga Fazenda do Pilar que deu origem posteriormente a Pilar do Sul. Em todos estes locais, são estudados o contexto, os problemas fundiários, as genealogias, etc. Neste estudo, entram também propriedades e proprietários rurais do séc. 19 com a presença de mão-de-obra escrava. Os senhores destas propriedades fizeram doação de terras a seus escravos. No entanto, posteriormente, houve dificuldades de manterem-se os descendentes destes escravos nas terras herdadas por seus antepassados. Por esta razão, há atualmente duas associações (Associação Afro-brasileira de Salto de Pirapora e Região e Associação Afro-brasileira de Sorocaba e Região) cujos objetivos principais são a preservação da cultura afro-brasileira e a busca de soluções para as suas questões fundiárias junto aos órgãos governamentais (indenização ou obtenção de terras das que o governo federal possui provenientes do não pagamento do Imposto Territorial Rural). Todas as associações afro-brasileiras mencionadas utilizam e dão apoio ao livro. Ainda nesta segunda parte, a obra traz também "causos" do folclore da região (lobisomem, boitatá, saci, etc.) que o tempo já vem, infelizmente, apagando. A partir da terceira parte, surgem os estudos lingüísticos da fala africana denominada "cupópia", o traço cultural mais forte da região. Esta fala existe no Cafundó (Salto de Pirapora), mas nasceu no antigo Caxambu (Sarapuí). A pesquisa de campo possui dois dicionários: "cupópia"-português e português-"cupópia". Estes são lexicais, perifrásticos e possuem transcrição fonética. A obra contém uma descrição da "cupópia" nos níveis fonético-fonológico, morfológico, sintático, semântico e textual. Este trabalho de ecologia lingüística que segue uma linha gerativo-textual apresenta comparações entre algumas falas africanas do Brasil e trata destas historicamente. Mapas, documentos e fotos tiradas pelo próprio autor ilustram a obra que possui também um "corpus" de palavras, perífrases, enunciados e vinte e dois textos com tradução para o português.
Mais informações sobre o livro podem ser encontradas nos seguintes links:
http://www.jornalexpress.com.br/noticias/detalhes.php?id_jornal=7863&id_noticia=2
http://www.jornalexpress.com.br/noticias/detalhes.php?id_jornal=7863&id_noticia=4
Atenciosamente,
Sílvio Vieira de Andrade Filho
22/09/2003 00:47
De: João Carlos Silvestrinni
IP: 200.177.10.66

Re: Divulgação de livro e sites

O livro reúne todas as qualidades de um estudo científico sério e pode servir de subsídio para estudos antropológicos da região visto que já está sendo utilizado também por órgãos do governo.
Abraços!
J.C Silvestrinni
07/08/2003 03:01
De: Elias do Prado
IP: 200.177.92.118

Olá

Sou professor de história da rede estadual de ensino. Vou indicar os sites para os estudantes que queiram pesquisar sobre cultura negra no Brasil.
10/09/2005 15:38
De: B. L. H. R.
IP: 200.177.17.12-

Livros

Prezado Sílvio
Foi com imensa honra que recebi sua resposta. Seus livros são legados extraordinários da História de nossa região. Assim, muitos pesquisadores, professores, estudantes e interessados no assunto podem ter acesso a esse valioso material.
Eu li o livro "Um estudo...." e achei fantástico. Você fez uma pesquisa minuciosa de uma época, resgatou uma cultura além de colocar importantes dados históricos e genalógicos. Parabéns!
Atenciosamente,
B. L. H. R.
Seu IP: 34.232.51.240 (os IP's são armazenados por questões de segurança)
Seu nome:
Seu e-mail:
Assunto:
Mensagem:
  Não quero que meu e-mail apareça na mensagem (apenas o nome)