Este fórum
serve para registrar informalmente trechos de mensagens recebidas via e-mail (vieira.sor@terra.com.br)
pelo
historiador,
genealogista e sociolingüísta Dr. Sílvio Vieira de Andrade Filho, autor
destes livros:


 


I - Um Estudo Sociolingüístico das Comunidades Negras do Cafundó, do Antigo Caxambu e de seus
Arredores
, ISBN 85-89017-01-X, 2000, Secretaria da Educação e Cultura de
Sorocaba


II - Um Estudo Sociolingüístico das Comunidades Negras do Cafundó, do Antigo Caxambu e de seus
Arredores
, ISBN: 85-904104-2-0, 2009


 


III - Guareí,
ISBN 85-904104-1-2, 2004,
Prefeitura Municipal e Câmara Municipal de Guareí


 


IV - Itapetininga,
ISBN 85-904104-3-9, 2006


 


V - Notas e Documentos Complementares,
ISBN 978-85-904104-4-7, 2015



 


Observação: O autor escreveu também a monografia "Uma contribuição para o estudo das famílias Mascarenhas, Araújo, Toledo, Martins, Graça, Camelo, Cruz e Queiroz",
2013


 


O autor agradece as mensagens que são respondidas via
e-mail.


 


O
autor tem dois sites diferentes com estes endereços:


 


http://www.cafundo.site.br.com


 


http://inforum.insite.com.br/8400/



18/08/2006 19:16
De: G.M.L.S;
IP: 201.27.209.22

Nome para o meu filho

Prezado pesquisador
Sou de São Paulo e vivo na Patagônia, trabalhando para uma empresa de vídeo.
Gostei muito de seu site sobre o seu livro "Um Estudo......".
Como eu e minha esposa estamos aguardando a chegada de nosso filho, gostaríamos de que o senhor nos enviasse algumas palavras da "cupópia" que poderão servir de nome para o nosso filho.
Em anexo, seguem algumas fotos do local onde moramos.
05.04.2004. G.M.L.S.
12/03/2004 01:12
De: Juliana Mendes dos Anjos
IP: 200.177.61.56-

Adquirir um livro

Olá. Sou funcionária da escola estadual "Dr.Afonso Vergueiro" e lá encontrei um livro seu. Li inteiro, pois o assunto me fascina.
Sou estudante de Letras e o professor pediu-me um trabalho sobre o Cafundó, pois moro em Salto de Pirapora. Gostaria de saber onde posso comprar seu livro para melhor fazer o trabalho. Irei até o Cafundó para fazer entrevistas, tirar fotografias e quem sabe até filmar...
O trabalho é para logo e espero respostas.
Abraço e parabéns pelo excelente trabalho.
Sua nova amiga e admiradora.
05/04/2007 19:02
De: H.J.F.
IP: 201.43.94.59

Genealogia dos antepassados

Apresentação: H. J. F., filho de Antônio Rui e neto de Lucinda Aires com Evaristo, p. 49 do livro "Guareí". Estive em Guareí e Tatuí no final do ano passado, buscando nos cartórios documentos sobre familiares passados que lá residiram. No cartório, o Sr. Lucidoro, quando viu os nomes, disse tratar-se de antigos moradores (fundadores?) de Guareí e que, na Prefeitura, havia um livro que fazia referência a todos os familiares dos quais eu solicitava certidão. Na Prefeitura, conversei com o gerente o qual me presenteou com um exemplar que me esclareceu bastante sobre as pessoas que eu procurava. Meu pai nasceu em Guarei em 1911 e veio para Três Lagoas (MS) como voluntário da Revolução de 32. Casou-se por aqui e nunca mais voltou. Contava-nos muita coisa de lá, principalmente de parentes, pois sua mãe Lucinda era filha de Eliseu Aires do Amaral com a escrava Adelaide (lª do testamento, p. 49 do livro onde consta meu pai Antônio Rui, Eliseu...). Parabenizo-o pelo livro que me esclareceu muito. Temos foto de Eliseu Aires do Amaral, Lucinda e Paulino bem como meu pai e tios, todos nascidos em Guarei. Também algumas peças de talheres com a gravação E.A.A (Elias Aires do Amaral?). Na p. 38, o Dr. Américo Antônio Aires cita um faqueiro no testamento. Ilha Solteira (SP), 26.03.2007. H.J.F.
22/09/2003 00:54
De: Simone A. Nascimento
IP: 200.177.10.66

Cupópia

Excelente artigo "A cupópia não nasceu no Cafundó" do professor Sílvio Vieira de Andrade Filho, parabéns e aguardamos os próximos artigos!
Simone, professora.
05/10/2009 16:03
De: Gustavo Momberg
IP: 201.13.217.102

Genealogia- Guareí

Gustavo Momberg tem atuado no campo da antropologia e museologia em Araraquara. Ele procura manter contato científico sobre Guareí com o autor Sílvio Vieira de Andrade Filho.
Filiação: Genézia Soares dos Santos Momberg (professora de matemática) e José Antonio Momberg (investigador de polícia). Avô paterno: falecido Valdemar Momberg (sapateiro e cooperador da Congregação Cristã do Brasil). Avô materno: falecido Quinca Soares dos Santos (sitiante do Bairro do Jacutinga).
18/08/2006 19:40
De: M.M.
IP: 201.42.199.49

Livro Guareí

Maceió, terça-feira, 11 de abril de 2006
Caro Sílvio Vieira de Andrade Filho
Para começar eu tenho desessete anos e estou terminando o ensino médio, herdei esse sobrenome da família da minha mãe, R.F. Momberg. O
pai dela, meu avô chama-se J.B. Momberg. Eu não não me lembro nome dos pais dele, mas se o senhor quiser, posso perguntar da próxima vez que visitá-lo. Após trabalhar nos três estados do sul do país, meu avô foi transferido para cá em 1967, trazendo cinco filhas incluindo minha mãe, um filho adotivo e sua esposa, minha vó, E. M. Momberg, eles se conheceram e se casaram em Guareí e ainda hoje têm parentes nessa cidade.
Aqui em Maceió, nossa família é pequena, pois somos apenas os que vieram a partir dos meus avós.
Ah, gostaria de saber qual foi o registro mais antigo que o senhor achou da família, e se encontrou algo no consulado da Alemanha ou uma lista de passageiros de um navio, pois gostaria de juntar essas informações às que meu avô conta sobre a vinda dos Momberg ao Brasil.
Obrigada por responder.
Cordialmente,
M.M.
30/09/2003 03:08
De: Walquíria
IP: 200.177.93.55-

Bons sites

Muito bom o conteúdo dos sites...há muito tempo me interesso por cultura africana e comunicação social. Digo isto porque acredito que a linguagem está ligada diretamente ao processo de inclusão social dos afrodescendentes no Brasil e no mundo. Prof. Andrade Filho mandei para o senhor um email com algumas "pérolas" da língua portuguesa, bom divertimento.
Abraços
Walquíria, estudante de Comunicação
29/05/2004 00:47
De: Maria Amado
IP: 200.177.30.38-

Bons sites

Caro Professor Sílvio, só hoje é que vi seu site. Gosto muito dos textos. Estou na Faculdade de Jornalismo, sonho antigo que agora se faz realidade.
Fique bem, que Deus continue iluminando suas pesquisas e sua vida, abraço, Maria A. Amado
18/03/2006 16:24
De: M C
IP: 201.43.91.81-

Giros da "cupópia"

Quarta-feira, Janeiro 25, 2006
Giros da cupópia
Acabo de ler um breve e interessante artigo ("A polissemia e a perífrase na cupópia", de Sílvio Vieira de Andrade Filho - Revista da Universidade de Sorocaba, dez. 2005) sobre algo que deve desaparecer em breve... a cupópia: dialeto falado em antigos quilombos brasileiros, ou por escravos entre si, para que seus senhores não os compreendessem (leio que a cupópia era o dialeto peculiar de uma única fazenda em Caxambu, mas desconfio que em todo o Brasil ocorresse fenômeno semelhante). Notável é o modo como os poucos conhecedores remanescentes desse dialeto (são oito!) se referem a coisas modernas, que não existiam quando se fixou o vocabulário da cupópia: com perífrases que lembram o modo das sagas nórdicas estudadas por Borges (veja o ensaio "As kenningar", na "História da eternidade"). Alguns exemplos:
Motorista: "tata que curima o ingômbi do andaru" = "homem que trabalha o cavalo de fogo".
Ambulância: "ingômbi do andaru do injó do maiêmbi" = "cavalo de fogo da casa do remédio".
Caneta: "tenhora da curima da mucanda" = "instrumento de trabalhar a escrita".
Mas o gênio da cupópia se mostra também na nomeação de coisas mais telúricas e imemoriais:
Minhoca: "mucuazinho do túri" = "cobrinha da terra".
Limoeiro: "orofim do malara nâni do ique" = "árvore da laranja sem doce".
Padre: "tata que cupopeia a cupópia de Jambi" = "homem que fala a língua de Deus".
18/03/2006 16:27
De: Marcelo Cid
IP: 201.43.91.81-

"Cupópia"

Olá, Sílvio, como está?
Achei o tema de fato muito interessante. Gosto desses assuntos lingüísticos! Os giros da cupópia me lembraram também uma passagem do "Ramo de Ouro", de Frazer, sobre a "superstição" de certa tribo africana: quando os homens saem para a guerra, as mulheres ficam proibidas de dizer os nomes de seus maridos, ou mesmo qualquer palavra que tenha uma sílaba desses nomes - daí que nasceu um novo idioma, feito de giros, falado apenas pelas mulheres nessa condição.
Sou diplomata, estou em Montevidéu, mas li seu artigo em Brasília, no Centro de Documentação do Ministério das Relações Exteriores, que eu chefiava e onde recebi um exemplar da revista da universidade.
Um abraço,
Marcelo Cid
07/08/2003 03:01
De: Elias do Prado
IP: 200.177.92.118

Olá

Sou professor de história da rede estadual de ensino. Vou indicar os sites para os estudantes que queiram pesquisar sobre cultura negra no Brasil.
Seu IP: 3.236.55.22 (os IP's são armazenados por questões de segurança)
Seu nome:
Seu e-mail:
Assunto:
Mensagem:
  Não quero que meu e-mail apareça na mensagem (apenas o nome)