Difundir e discutir os ensinamentos do decimo avatar de vishnu, estudar a arte da negaçao do eu, sob a otica gnostica e budista.

Tags: cristo ser intimo morte ego
06/02/2009 13:28
De: Gilberto Silva
IP: 201.80.121.249

Harakiri Psicologico

SOBRE A MORTE MÍSTICA
O principal objetivo de todo estudante é o primeiro morrer no ego, pois sem morte nada vale. Sem morte há conflitos e interesses pessoais, sem morte não há santidade, sem santidade não há luz, sem luz não há despertar de consciência, não há nascimentos internos ou despertar dos chakras.
Muitos não querem ensinar morte no ego porque não morreram, não querem morrer ou há muitas desculpas para tal efeito.
O caminho branco começa com a morte e castidade. Tanta leitura, tanto falar, tanto dialogar e nunca há morte; ou alguns inventam que isto de morte é de várias vidas e isso não é assim, pois quem quer morrer totalmente pode realizá-lo em 20, 25 ou 30 anos de trabalho intenso, em uma só vida. O que acontece é que não entenderam a morte, lêem muito e na prática nada ou muito pouco praticam, isso é o triste dos ensinamentos.
As pessoas fogem do tema, outros só reservam para eles mesmos, mas a morte se deve ensinar a todos em geral, pois todos têm direito a morrer, mas alguns dizem que as pessoas não estão preparadas para falar ou para ouvir sobre cadeias de morte.
Passaram-se muitos anos e todo mundo vai e vem abobado, falando, e ninguém quer morrer. É uma loucura.
Explicamos algumas coisas para quem estiver interessado em morte de si mesmo.
Primeiro se auto-observe (isso todo o mundo sabe); deve-se treinar dia a dia a auto-observação, pois ela está atrofiada porque alguém nunca se auto-observou. Se requer um trabalho duro um mínimo de 5 anos para saber se auto-observar nos níveis superficiais e médios (todos sabemos que são 49 níveis) e com o tempo, 15, 20 anos de auto-observação, entrará no profissionalismo de auto-observação.
Não se preocupe pelos 49 níveis, isso realiza a mãe divina, você simplesmente se auto-observe, descubra seus pensamentos, seus gostos, seus desejos e anote tudo em um caderno e depois acenda uma vela e analise cada um, como é, de onde sai, etc...
Mas... Antes de realizar a cadeia de morte estuda o eu...
O gosto que tem, por exemplo, a Ira.
Como sai... Como se manifesta... Que quer esse eu da ira.
Quantos derivados há desse defeito...

Deves conhecer todos os derivados desse defeito para que a Mãe possa matar, do contrário ela, a Mãe Divina, não poderá aniquilar, não poderá matar nada, nada.
Estude o eu, faça a lista desse eu...
Por exemplo...
Ira por orgulho...
Ira por vaidade...
Ira por preguiça...
Ira por ambição...
Ira por egoísmo...
Ira por ciúmes...
Ira por perfeccionismo...
Ira por luxúria...
Ira por ir mal esotericamente, etc.

Derivando os eus sairão uns 2.500 eus pequenos que deves estudá-los, conhecê-los... saber seu sabor, seu gosto... etç;
Antes de começar a realizar as cadeias de morte, primeiro que todo o estudante deve começar sua auto-observação diária.
A princípio é muito duro, muito difícil, pois, como principiantes, temos a auto-observação atrofiada e ela não vai despertar e fortalecer-se de uma hora pra outra.
Um trabalho duro, muito duro de insistir em se auto-observar a cada minuto e cada segundo, mas, como se é principiante nesta arte, custará muito à pessoa meio observar-se, ainda que seja cinco vezes ao dia, por uns escassos segundos, assim é a situação da humanidade.
Devemos chegar a Ter tanta destreza na auto-observação que cada momento, cada instante, cada segundo, deve estar cheio, impregnado de consciência viva, consciência ativa e par isso requer um trabalho de prática só em auto-observação por um mínimo de 7 anos, para poder ver dentro de nós os níveis superficiais e médios, e para chegar a ser um verdadeiro profissional da auto-observação se requerem 10, 15 anos de trabalho sério, constante e contínuo.
Já nos primeiros meses e primeiros anos de auto-observação o indivíduo conhece alguns eus, conhece seu sabor, seu cheiro, sua sensação, seu gosto, sua má vontade, suas justificações, em alguns desses seus que está observando e estudando.
Depois de compreender isso, sua natureza, e mais  tarde negação, não dar-lhe mais gosto, e pedir morte. Este é mais ou menos o processo de como começar o trabalho psicológico.
Uma cadeia de morte se realiza invocando a nossa adorada mãe morte, seja como Hécate, Prosérpina ou simplesmente mãe morte; o estudante roga e pede a aniquilação disso que já estudou e isso a que não está dando mais gosto, e em AZF reforça a morte.
A princípio, como novato, o indivíduo realiza 3 horas diárias de morte, depois pode subir a 5 horas ou mais, isso vai de acordo a seu afã espiritual.
Para muitos isto é difícil, para outros é bom, depende do afã e da urgência interior de cada um.
Antes de realizar uma cadeia de morte...
1) Auto-observação
2) Descobrimento
3) Análise do defeito
4) Compreensão
5) Não voltar a dar-lhe satisfação, negá-lo
6) Pedir morte a Devi Kundalini

Sozinha em teu quarto, em teu santuário, ou várias pessoas reunidas em cadeia...

“Meu Pai, meu Senhor, meu Deus
“Te invoco no nome do Cristo
“daí-me potestade para chamar à Mãe Morte”
“Divina Mãe Morte Hécate Prosérpina vem a mim”
“quero morrer, vem a mim”
“morte, morte, Mãe Morte, mata, destrói o defeito xxx”
“fogo, gogo, morte, morte, vem a mim”
“mata, mata, destrói o defeito xxx”
“Pelo Cristo, morte, morte, mata, mata, fogo, fogo”
“Mãe Morte, mata e destrói o defeito xxx”

Enquanto não nascer em teu santo coração essa poderosa urgência interior de morrer, de destruir o inimigo, o eu, o obstinado Ahamkara, e não perder mais tempo em falação, conversas, leituras e o que seja, enquanto alguém não se dê conta de que só deve morrer com a morte vem a luz, enquanto alguém continuar enganado pela adorável mente obscura será vítima da obscuridade, será uma pessoa fria e solitárias que perambula pela vida sem razão nem objetivos espirituais.
Muitos estudantes querem Ter a luz com três ou quatro anos de um bom trabalho, isto é um equívoco muito grande, pois se requer morte, muita morte, bastante morte e conduta perfeita, muito perfeita no lar e na rua para que algum dia receba a luz.
Normalmente se requer 25 anos de trabalho perfeito para adquirir a luz, outras vezes são 30, 35 anos de trabalho perfeito, santo, casto, digno e constante e outras vezes podem ser 56 anos, como Moisés, para se ter  a luz.
Anos inteiros de santidade e trabalho, isto não é um jogo nem um passeio, isto é um trabalho de alta magia, teurgia, alta alquimia para converter-nos em seres nobres, dignos e cheios de luz.
Quem queira luz deve dar luz, não teoria, sim luz. Uma coisa é ensinar teoria que não produz luz, não produz morte, não produz despertar, isso ninguém paga a alguém, pagam o que alguém ensina e produz despertar, o que alguém ensina e produz mudanças que vão ao SER. O Logos não é tonto, o Logos só paga o ensinamento que produz luz, produz despertar, produz mudanças que vão ao SER.
Aqui não se trata de fazer mudanças para ser melhor, se paga somente por um ensinamento que produz despertar, mudanças radicais, profundas e morte.
Se você for empregado de uma fábrica de carros, acha que pagam seu salário para estar brincando e distraindo as pessoas? Não. Vão lhe pagar como empregado de uma fábrica de carros para que produza carros, ou coisas e utensílios para carros, entendes? Então, se ensinas esoterismo, mas isso não produz despertar, não leva à morte, isso não leva a um AZF perfeito, está perdendo seu tempo e seu esforço. Pois esse ensinamento não serve ao LOGOS.
Para despertar consciência as águas de vida devem estar limpas, sem eus, limpas com mente vazia, mente limpa, mente de bebê, mente de luz.
Se não há conduta perfeita, a cadeia de morte é estéril, não morre nada, a mãe Devi Kundalini não mata nada, se requer conduta perfeita, bondade, humildade, mística, santidade e castidade. Se não preenche estes requisitos, não poderá existir morte, por mais virtude que devemos desenvolver para progredir.
A honestidade é a primeira virtude que devemos desenvolver para progredir. O verdadeiro estudante se distingue pela honestidade, humildade, mística, devoção e compaixão em sua vida diária.
19/09/2009 21:16
De: Claudio Luiz de Almeida
IP: 189.68.220.128

Morte do Ego

Como é difícil, mas eu não vou mais negligenciar o trabalho, espero que ainda haja tempo!!!!!
Fico feliz em saber que temos outros irmão trabalhando.
Paz Inverencial
Claudio Almeida
Seu IP: 54.242.25.198 (os IP's são armazenados por questões de segurança)
Seu nome:
Seu e-mail:
Assunto:
Mensagem:
  Não quero que meu e-mail apareça na mensagem (apenas o nome)