Avaliação individual com participação de alunos do 2º ano do Ensino Médio A e B, descrevendo o período colonial no Brasil e suas características em Goiás.

Tags: economia
02/06/2009 22:15
De:
IP: 189.6.29.70

Re: Continuação

Irei falar um pouco sobre minha viagem a fazenda babilônia.
Porém não posso começar sem antes mencionar as comidas presentes no cardápio dos escravos nesta época:
Tais como:
Mané pelado
Caldo de cana (garapa)
Bolo de mandioca
Pão de queijo
Pamonha frita entre outros.
Em fins do Século XVIII, mas precisamente em 1795, chega em Meia Ponte o senhor Joaquim Alves de Oliveira.
A produção desta fazenda era tão intensa que contava com cerca de 200 escravos, sendo 120 homens para o trabalho e 80 mulheres e crianças.
O senhor Joaquim Alves de Oliveira iniciou o ousado empreendimento de construir o Engenho São Joaquim, primitivo nome da Fazenda Babilônia para saber mais procure na internet1!!
08/10/2008 08:17
De: mavia e weverton (ingridfashion@yahoo.com.br)
IP: 200.140.127.166

Poder sexuais

Naquele periodo os senhores do engenho tinham pleno poder para ficar com suas escravas, elas eram obrigadas a manter relaçoes sexuais sem se queichar, pois eram apenas escravas, e se elas registissem eram levadas ao pelorim, os senhores daquel epoca tinha o controle de todas suas escravas.
13/10/2008 15:35
De: TATIANE E WELLINGTON
IP: 200.140.127.166

PERIODO COLONIAL NO BRASIL E EM GOIAS

O enorme poderio economico e politico dos senhores de engenho era evidente.Participavam do jogo politico nas camaras municipais ,e eles tambem  submetiam os escravos a todo tipo de violencia.Apesar da tendencia a monocultura de exportaçao,no interior das propriedades canavieiras desemvolveu-se a agricultura de subsistencia ea fabricaçao de utencilios e instrumentos de trabalho ,ex:canoas,carroças,selas,arreios,e roupas rusticas.O engenho era o simbolo do poderio dos senhores de terras e erguia-se como modelo da organizaçao das colonias.Nas chamadas fazendas obrigadas,modestos lavradores,que dispunham de pequenas extensoes de terra,cultivavam seus canaviais,mas processavam sua produçao nas engrenagens dos grandes senhores de engenho.O engenho constituiu-se como a unidade economica basica da colonizaçao portuguesa nos seculos 16e17 . Inicialmente o termo designava apenas as edificaçoes einstalaçoes onde se realizava a produçao de açucar. Posteriormemte passou a denominar tambem o conjunto da propriedade açucareira,inclindo as lavouras,as terras nao cultivadas ,a CASA-GRANDE,na qual morava o senhor de engenho,a CAPELA,onde eram realizados os oficios religiosos,e a SENZALA,o enorme galpao onde abrigava os escravos.Em quanto muitos lugares do BRASIL havia muitos escravos em GOIAS no maximo que tinha era 30 com exseçao da fazenda BABILONIA que tinha 200 escravos sendo que 120 eram homens e 80 eram mulheres nesta fazenda por nao ter mulher suficiente para os homens dormiam separados mesmo os que neram casados.
13/10/2008 09:55
De: tatiane e wellington
IP: 200.140.127.166

Periodo colonial no brasil e em goias

A economia na epoca era boa para os senhores de engenho mas mesmo assim a economia sofria bastante no caso de goias era pior ainda que os senhores tinham no maximo 30 escravos .a vida social no engenho era mais dificil para os escravos pois eles nao tinham direito nrnhum enquanto os senhores tinham tudo e mais um pouco.os senhores quando iam comprar as escravas olhavam tudo e eles preferiam as mais jovens  e tambem escolhiam os escravos mais fortes para serem bons reprodutores. ESSES ESCRAVOS nao tinham direito de nada.
08/10/2008 20:01
De: roseane pereira e natasha
IP: 200.140.127.166

Vida social no engenho

inicialmente  ''engenho'' significava apenas a produçao da cana-de-açucar  mas ao passar do tempo o engenho se tornou uma especie de divisao entre a casa grande, a sensala,a capela e a lavoura de cafe. atraves desta divisao os senhores do engenho abusava de seus PODERES...
Seu IP: 54.91.71.108 (os IP's são armazenados por questões de segurança)
Seu nome:
Seu e-mail:
Assunto:
Mensagem:
  Não quero que meu e-mail apareça na mensagem (apenas o nome)