Insite Soluções Internet
Canais  >> Cultura
Criar novo fórum     Gerenciamento     Painel de Controle     Minimizar
"Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver, acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao mundo e maior amor ao coração dos homens." (Fernando Pessoa, em "O Eu Profundo")
Assinar este forum via:
[Bloglines]     [RSS/Atom]     [E-mail]
Atenção:
A prática, indução ou incitação de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, por meio da Internet, bem como a humilhação e exposição pública caluniosa e difamatória, constituem crimes punidos pela legislação brasileira. Denuncie aqui sites e/ou mensagens de fóruns hospedados na Insite contendo qualquer violação.
Mensagem
Data: 29/06/2009 16:46:46
De: Elza Margarete
IP: 189.104.53.100
Assunto: Re: analise das obras dos poetas Claudio Manoel da Costa, Gonçalves Magalhães e Castro Alves!

Re: analise das obras dos poetas Claudio Manoel da Costa, Gonçalves Magalhães e Castro Alves!

Poe favor, gostaria, se for possivel, que vocês me ajudassem a analisar os sonetos: "XXII" e "LXIII" do poeta Claudio Manoel da Costa; a poesia "O que eu sou" de Gonçalves Magalhães; "Adomercida" e "A Canção do africano" de Castro Alves! Muito obrigada pela atenção! Com afeto, Margô! XXII Neste álamo sombrio, aonde a escura Noite produz a imagem do segredo; Em que apenas distingue o próprio medo Do feio assombro a hórrida figura; Aqui, onde não geme, nem murmura Zéfiro brando em fúnebre arvoredo, Sentado sabre o tosco de um penedo Chorava Fido a sua desventura. As lágrimas a penha enternecida Um rio fecundou, donde manava D'ânsia mortal a cópia derretida: A natureza em ambos se mudava; Abalava-se a penha comovida; Fido, estátua da dor, se congelava. LXIII Já me enfado de ouvir este alarido, Com que se engana o mundo em seu cuidado; Quero ver entre as peles, e o cajado, Se melhora a fortuna de partido. Canse embora a lisonja ao que ferido Da enganosa esperança anda magoado; Que eu tenho de acolher-me sempre ao lado Do velho desengano apercebido. Aquele adore as roupas de alto preço, Um siga a ostentação, outro a vaidade; Todos se enganam com igual excesso. Eu não chamo a isto já felicidade: Ao campo me recolho, e reconheço, Que não há maior bem, que a soledade.
Mensagem: « Anterior     Próxima »     Responder
        ⇑ Receber mensagens deste fórum por e-mail

Em resposta a:

Poemas!! (rita - 10/02/2009 18:55:50)
acho que ao escrever os poemas "mar português" e "o infante", Pessoa levou muitos a enteder o significado das descobertas e a importância para o povo português. sabendo que os poemas de pessoa tinham tal expressividade tive que os transpor para um trabalho que estou a preparar para língua portugues...(ver)

Respostas:

vila rica foi considerado um grande obra de claudio manoel...(ver)

Responder a esta mensagem

Seu nome:
Seu e-mail:
Assunto:
Mensagem:
  Quero receber notificação por email se minha mensagem for respondida.
Não quero que meu e-mail apareça na mensagem (apenas o nome)
 

Fóruns  >> Cultura
| Hospedagem de Sites | Acesso Banda Larga
Tecnologia Insite   -   Soluções Internet   -   ©   2014 -   http://www.insite.com.br