estou precisando na verdade de um resumão, uma conclusão do cap rompendo com a alienação da Maria Lúcia Martinelle .por favor se alguem tiver me manda por email!

Tags: aumento da dos luta
18/09/2013 15:48
De: Andreza Ramos
IP: 179.116.12.41

Re: Resumo do 1º capitulo a ilusão de servir do livro identidade e alienação de maria lucia martinelli

preciso do resumo , na verdade um texto dissertativo-argumentativo do primeiro capítulo do livro pois tenho que responder algumas questões sendo elas: - o que significa mudar? - quais as consequências do desemprego enquanto questão social? - por que o conhecimento especializado é importante?
25/09/2013 19:24
De: maria izabel sampaio pereira
IP: 189.82.58.26

Re: Re: Resumo do 1º capitulo a ilusão de servir do livro identidade e alienação de maria lucia martinelli

preciso de um texto dissertativo-argumentativo do primeiro capitulo do livro ilusão de servir pois tenho que responder algumas questões sendo elas o que significa mudar? quais as consequências do desemprego enquanto ao questão social? porque o conhecimento é especializado e importante?
14/08/2011 21:07
De: Andreia
IP: 189.69.85.11

Resumo do livro intendidade e alienação de Martinelli cop. III

III
Serviço Social: rompendo com a alienação
O século XX e a “questão social”
No sec. XX o capitalismo mostra o fracasso no progresso econômico e a instabilidade financeira o desemprego e a pobreza se generalizavam tanto a Europa como o Estados Unidos tornando-se um fato mundial, tentando sair dessa horrível crise que o capitalismo entra na fase no monopólio sem sucesso e também nessa mesma fase cresce o número de assistentes social como profissão e na década de 30 o poder burguês fez uma forte pressão aos trabalhadores afim que eles fracassem na marcha organizada, até mesmo os sindicatos dos trabalhadores passam a ser vigiando, essa posição dos burgueses faz com que esses trabalhadores se organizassem melhor e aumentassem sua força.
No período pós-guerra o assistente social era tratado como ato de caridade não com caráter social, no Egito, Grécia e em vários pontos do mundo a assistência era feita pelas associações religiosas e também pelos burgueses que tinham a intenção de controlar os seus pobres assim mantendo-os submissos as suas vontades e logo até a igreja alia-se os conceitos da burguesia o trafico mercantil já entrara na igreja no século XVI onde o monge e teólogo agostiniano, Martim Lutero se indigna com a falta de moral e espírito religioso do Vaticano assim é publicado 95 contestações fazendo publica a sua revolta e fazendo uma divisão o catolicismo e protestantismo.
Em Londres em 1816, John Brunnel Davis fundou um Centro de Proteção à Infância com o passar no tempo a higiene a educação e a saude se tornaram necessária para a assistência assim o filantropo Jeremy Bentham propõe a Londres a criação no Ministério da Saúde Pública e 1865 Octavia Hill começa um trabalho da educação familiar e social.
Ainda na época XX os agentes tinham o mesmo pensamento dos burgueses e o conceito não era por em criticas nem se opor a esses pensamentos as assistentes sócias só havia o interesse de manter a ordem na sociedade.
Houve a reflexão em Paris do que é a questão social em 1911 foi quando a primeira Escola Católica de Serviço Social cria pequenos grupos de assistente sociais católicos baseando-se na doutrina social da igreja e como interferiu na pratica profissional e essa organização cresce e se espalha por toda a Europa.
Depois na Itália em 1925 durante a I conferencia Internacional de Serviço Social – UCISS um organismo de forte influencia entre o serviço social europeu e latino-americano com o apoio da igreja e burguesia.
Enquanto se institualizava era exigido dos agentes o controle das classes pobres para que a classe dominante pudesse continuar a controlar o lado político e social e escondendo a miséria, as doenças e a pobreza da sociedade que era excluída da sociedade.
Já na década de 20 não é mais possível conter o avanço dos operários que almejavam lutar pela vida a República Velha chega ao fim com a político-militar em 1930 quando a República Nova tem a proposta de resgatar o Clima de Harmonia Social e no Brasil o serviço social é constituído pelas as mulheres católicas da burguesia com todo apoio de suas famílias com o único intuito de fazer uma síntese da economia e ideologias a fim de expandir as relações sociais e capitalistas.
Devido à frágil consciência social era normal serem tomadas atitudes alienadas e assim as diretrizes das atitudes tomadas eram sem nenhuma preocupação com a sociedade de trabalhadores assim cada vez mais os pensamentos alienantes fazia-se presente em toda a realidade da burguesia e ate na igreja que contrariava a realidade social dos pobres que estava em caos, enquanto isso os agentes não conseguiam criar uma identidade seus ideais em caráter político e profissional pois, sempre refletia  que a burguesia queria.
Graças a organização de comunidades houve a intervenção das idéias e no método que estavam agindo e nos Estados Unidos permite que haja o intercambio para estudos e treinamentos ao Brasil dos assistentes sociais no final do sec. 40 nesse momento que os agentes passam a não se preocupar mais com o poder dos dominantes e tão pouco preservar os bens particulares dessa classe no entanto logo tiveram que voltar a posição inicial de seguir só o que a burguesia quer.
Todavia a terrível crise do séc.XX fez com que houvesse um despertar na estrutura da consciência social e a certeza que somente através na contradição de idéias com estudo discernimento do certo e errado mais em principal consideração de que tem que prevalecer o certo para a maioria e também conforto para esse mesmo ninguém merece viver de pão de água e se a riqueza for usada corretamente todos poderão viver com dignidade e isso só acontecera com a contradição de valores onde da a quebra da alienação e isso é feito individualmente de “eu para eu” e essa revelação só acontece quando perceber que o outro poderia ser você.  

   
Seu IP: 54.162.250.227 (os IP's são armazenados por questões de segurança)
Seu nome:
Seu e-mail:
Assunto:
Mensagem:
  Não quero que meu e-mail apareça na mensagem (apenas o nome)